top of page

Galt promove Oficina Didática para docentes

Depois de três anos com aulas on-line, o Galt enfim voltará ao presencial este ano. E para preparar toda a equipe pedagógica para o retorno e para que esse momento seja ainda mais especial, no primeiro sábado de março, aconteceu a primeira Oficina Didática do Galt com a presença dos professores, monitores e coordenadores.


O objetivo do treinamento foi proporcionar um momento de descontração e troca de experiência entre os colaboradores recém-chegados e os mais antigos de casa, principalmente neste momento de retorno ao presencial. “Estamos retornando ao presencial, e para tal, precisamos saber como agir diante de diferentes rotinas”, explicou a assessora de ensino e organizadora da oficina, Maria Clara Chagas.



Equipe de docentes do Galt reunidos na primeira Oficina Didática de 2023. Galt Vestibulares/Arquivo


1ª Oficina Didática


Os últimos períodos letivos foram marcados pelas adaptações ao ambiente virtual e apenas agora, em 2023, algumas instituições de ensino, como o Galt, estão voltando para o presencial. Ou seja, a adaptação agora será ao contrário. Pensando nisso, durante a oficina, a equipe pedagógica simulou o ambiente de sala de aula convencional, com aula; alunos pedindo para entrar e sair de sala; e várias outras situações que acontecem em todas as instituições de ensino durante um dia comum de aula.


Professores dando aula para os demais voluntários. Galt Vestibulares/Arquivo

Para isso, professores, monitores e coordenadores foram divididos em grupos, conforme a disciplina pela qual são responsáveis no Galt, para elaborar uma aula com duração de 30 minutos. Depois da elaboração da aula, cada participante do grupo tinha um tempo cronometrado para apresentar o conteúdo. Quando o tempo terminava, o próximo professor deveria continuar a aula de onde o outro parou e assim por diante.


A aula era ministrada para os professores das outras equipes, que faziam papel de alunos e alunas, com perguntas e conversas paralelas, por exemplo. O intuito era treinar os professores para o que pode acontecer em uma sala de aula. “Estamos no Galt há três anos no online, então a gente tem problemas que são: o aluno não aparece, o aluno que não fala nada, que não abre a câmera e todas essas coisas. A ideia é entender como esses professores vão conseguir se portar em situações muito diferentes do que eles viviam no on-line”, explicou a assessora de ensino.


Durante a oficina, realizada na Subsecretaria de Formação Continuada dos Profissionais da Educação (EAPE), em Brasília (DF), os membros voluntários do Galt também participaram do momento da psicologia, um espaço da Oficina dedicado a refletir sobre a profissão da docência e sobre como é ser professor de um cursinho popular.


Segundo Ana Clara, monitora de psicologia do Galt, as atividades do evento contribuíram para o aprendizado coletivo e a troca de experiências entre os professores, monitores e coordenadores. “Trazer diálogos assim é muito bom para vermos como acontece de forma prática. E ali todos são professores, alguns mais experientes que outros e podem trocar essas experiências e reflexões entre eles e se ajudarem”, observa.




Do virtual para o presencial


Professor de química desde 2005, Ary Paulo Vise Neto é um dos voluntários mais antigos do Galt e, para ele, a oficina é fundamental para que os membros da equipe criem vínculos e reforcem o sentimento de pertencimento ao projeto. “O senso de compromisso de que você faz parte de alguma coisa é muito mais real e presente em momentos como esse. Quando você nota as pessoas ao seu redor presencialmente falando”, analisa.


Professor Ary Neto e Isabella Vidal. Galt Vestibulares/Arquivo

Ele conta que, desde seu início na docência, já passou por escolas públicas e particulares, além de cursinhos comunitários como o Galt. “A sensação de iniciar um semestre é sempre a mesma. São mais ou menos 17 anos dando aulas, e sempre sinto frio na barriga. E eu adoro sentir isso, porque me lembra de que eu estou vivo. No dia em que eu não sentir mais esse frio na barriga, é porque eu estou pronto para ir”, diz.


Já a professora Isabella Vidal, possui um histórico oposto ao companheiro de profissão. Quando entrou para o Galt, as aulas já estavam no formato on-line e o contato com os Galtinhos [apelido dado aos alunos do Galt] foi apenas virtual. Essa será a primeira vez que ela terá a experiência de ministrar uma aula de forma presencial. “Sei que será muito diferente [do on-line]. Hoje tivemos a experiência de como será, acho que o fato de já ter dado aula antes, mesmo on-line, já ajuda porque eu acho que o mais complicado é o conteúdo em si, você está preparado, cuidando da preparação da aula, o resto é jogo de cintura”, avalia.


Segundo a presidência do Galt, ainda não há uma data exata de quando as atividades retornarão ao presencial, porém a expectativa é que seja ainda durante o primeiro semestre letivo deste ano. Por enquanto, os novos estudantes continuarão assistindo às aulas no formato on-line.




Por: Wanessa Alves - Galt Vestibulares

Revisão: Vinícius Zandonai


104 visualizações0 comentário

Commenti


bottom of page